19 de mai de 2015

Seminário aborda sexualidade na adolescência



Para ter uma abordagem eficaz com o jovem e tratar de temáticas que requerem habilidade, é preciso ter uma linguagem diferenciada

O Governo de Estrela promoveu, na quarta-feira (19), o Seminário Saúde na Escola. Realizado por meio das secretarias da Educação e da Saúde, na Faculdade La Salle, abordou questões ligadas a temáticas que estão sendo trabalhadas pelos profissionais de saúde e educadores. Sexualidade na adolescência e seus temas transversais foram pauta para painelistas durante a manhã inteira. As psicólogas Celina Darde e Mariana Mazzarino, o mestre em neurolinguística Jorge Alfredo Fritscher (bom retirense)

, a psiquiatra Diana de Bem Souza, o instrutor de teatro Fernando Tepasse e Maria de Lurdes Wermann, do Serviço de Assistência Especializada (SAE) aprofundaram-se no tema, que tem um vasto campo de discussão.

Eles sensibilizaram os profissionais para trabalhar as questões envolvidas com a sexualidade e saúde mental com os adolescentes na escola. “A sexualidade foi escolhida porque é um tema palpitante. Também porque precisa ser discutida com eles, os jovens, e está prevista nas ações do Programa Saúde na Escola (PSE)”, informa uma das coordenadoras do PSE, Leandra Baldissarelli.

No seminário foi destacada a linguagem que se deve usar com os adolescentes porque o jeito de falar importa ao dar orientações a eles, sobretudo com questões delicadas. “Muitas vezes o profissional conhece a teoria, precisa saber o melhor modo de falar. Deve ser uma linguagem que atinja o público e com foco na realidade deles.” Outro item especificado é a questão de o profisssional estar disposto a levantar o tema sexualidade. “Nem sempre o adulto se sente à vontade abordando a questão.” Ocorre que muitas vezes o jovem aprende sobre o assunto na rua, de forma não adequada. “É preciso que eles sejam preparados e com consciência para essa fase. As dúvidas são muitas, é a época em que estão desabrochando para a vida. Melhor ter uma orientação segura e eficaz.”

A psicóloga Mariana Mazzarino enfatiza que o seminário é uma forma de a rede pensar junto ações de prevenção e promoção e fortalecer o protagonismo dos adolescentes para que eles também possam ser “autores de suas próprias vidas”. Na plateia, além de enfermeiros, técnicos e professores, estavam representantes de grêmios estudantis e líderes de turma. “Não queremos que o debate fique só entre adultos e professores”, reitera Mariana. No próximo curso de capacitação do Programa Saúde na Escola, estudantes serão convidados a participar para se tornarem multiplicadores de ideias. “Nós acreditamos que adolescente falando com adolescente gera mais efeito.”
Texto e foto: Andreia Rabaiolli

Nenhum comentário:

Postar um comentário