8 de dez de 2013

Garoto que vive na UTI de hospital em Ijuí recebe visita do cartunista Maurício de Sousa

Jean Carlos Kittlaus, oito anos, tem uma doença que não lhe permite respirar sem ajuda de aparelhos

Garoto que vive na UTI de hospital em Ijuí recebe visita do cartunista Maurício de Sousa Allan Fonseca/Divulgação
Foto: Allan Fonseca / Divulgação -Fernando Goettems -fernando.goettems@zerohora.com.br

A ala pediátrica da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI) teve sua rotina alterada na tarde deste sábado. O encontro de um garoto com um de seus ídolos marcou o dia no hospital. Jean Carlos Kittlaus, oito anos, que por conseguir respirar apenas com a ajuda de aparelhos vive na UTI da instituição desde que nasceu, recebeu a visita de Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica.

O encontro é um presente de aniversário adiantado para o garoto, que completa nove anos no próximo dia 27. O evento também movimentou Ijuí: a conversa entre o menino e o cartunista foi transmitida em tempo real por um telão na Praça da República, no centro da cidade. Além disso, a equipe da TV Globo produziu material para ser transmitido no programa Domingão do Faustão.

No mês de junho, o aluno Jonas Fonseca, 11 anos, do grupo de catequese da Igreja da Natividade entregou uma bíblia ilustrada para Jean. Na ocasião, o garoto pediu um livro da Turma da Mônica. Na entrega do novo presente, um pedido audacioso: conhecer o criador daquelas histórias. Depois disso, a assessoria de imprensa do HCI contatou a produção do programa, que intermediou o encontro.

- Estamos muito felizes por ele. Ele pediu esse encontro. Desde bebezinho o Jean gosta da Turma da Mônica - revela a mãe do menino, Eliane Zilke Kittlaus, 36 anos.

Às 17h, Maurício de Sousa entrou no quarto onde Jean mora. De joelhos, o artista cumprimentou o garoto. O encontro durou cerca de 40 minutos. 

- Você quer fazer uma pergunta? - disse o cartunista

- Por que a Mônica não vai no dentista? - rebateu o garoto.

A tarde ainda reservava outras surpresas ao garoto. Após alguns minutos de visita, também entraram no quarto Mônica, Cebolinha, Cascão e Magali. Jean ainda pôde ver, através de um televisor, o centro da cidade lotado, gritando o seu nome. Depois do encontro, Maurício de Sousa ainda foi até a Praça da República, conversou com o público e concedeu autógrafos.

- Jean é um menino que merece todo o respeito. Ele tem uma opinião firme. Deu pra ver também todo o sacrifício dessa mãe e o tratamento excepcional que ele recebe - afirma Maurício de Sousa.

Uma vida na UTI
Jean foi diagnosticado nos primeiros meses de vida com Miopatia Congênita, uma doença muscular que não lhe permite realizar o movimento respiratório. A doença foi descoberta em Porto Alegre. Desde então, ele vive na UTI pediátrica do Hospital, em Ijuí, com equipamentos de respiração mecânica.

De acordo com a equipe médica do HCI, ele não pode andar, mas, com o trabalho de fisioterapia, consegue movimentar os braços e até sentar sozinho. Mesmo com uma traqueostomia (uma cânula introduzida na traqueia, na região do pescoço) ele consegue conversar. Periodicamente, a equipe de profissionais do Hospital leva Jean até a frente do prédio para observar o movimento da rua e tirá-lo por alguns minutos do quarto onde vive.

A rotina da família é adaptada para as necessidades dele. A mãe, Elisa Zilke Kittlaus, percorre todos os dias cerca de 30 quilômetros, que separam Ajuricaba, onde mora, a Ijuí. Passa as manhãs com seu filho. No período da tarde trabalha na equipe de limpeza da 17ª Coordenadoria Estadual de Saúde, que fica na mesma quadra do Hospital. Quem assume o posto, então, é a irmã de Jean. No início da noite as duas voltam para a cidade vizinha. No dia seguinte a rotina é retomada.

A internet é uma grande aliada do garoto. Através dela, ele assiste aos vídeos da Turma da Mônica e consegue interagir com pessoas fora do ambiente hospitalar. Ele também é alfabetizado, dentro da UTI, por uma professora.

- O pessoal da UTI é a segunda família dele. Ele sabe quem está de férias, quem foi passear. Ele é muito querido por todos os profissionais - observa Angélica Martini Cembranel, coordenadora da UTI neonatal e pediátrica do Hospital.
clicRBS

Um comentário:

  1. Que legal essa ação de Mauricio de Sousa e das pessoas que promoveram esse encontro. A gente nem imagina que pode existir perto da gente pessoas vivendo dessa maneira. A felicidade é algo tão relativo tem pessoas que tem tudo o que falta a esse menino e ainda assim não encontra motivos para ser feliz. Um abração meu amigo.

    ResponderExcluir